Sustentabilidade da cerâmica CGM é destaque na TV Globo

22 \22\UTC março \22\UTC 2011 at 8:13 Deixe um comentário


Cerâmica CGM, de Crato (CE)

“Uma empresa virou modelo de convivência com o meio ambiente”. Assim a  cerâmica CGM, de Crato (CE), foi classificada pela reportagem do programa Globo Rural, da TV Globo. O que chamou a atenção dos jornalistas foi o fato de a cerâmica ter interrompido o uso de lenha nativa e substituído esse combustível por biomassa renovável, gerando créditos de carbono.  A reportagem também foi publicada no portal Globo Natureza (globonatureza.com), com o título “Todo ano, quase três mil hectares de vegetação nativa viram lenha”. Acompanhe o vídeo e a reportagem. 

Clique aqui para ver o vídeo

Todo ano, a caatinga perde quase três mil hectares de vegetação nativa. Boa parte dessas árvores está virando lenha porque quase 40% da energia consumida no Nordeste ainda vêm da queima de madeira. O pior é que as árvores nativas têm papel fundamental na manutenção da vida no semiárido nordestino.

Instalações da cerâmica

A caatinga é a principal formação vegetal do semiárido nordestino e ocupa 10% do território brasileiro. São mais de 840 mil quilômetros quadrados espalhados por 10 estados.

Nesta região chove em média 560 milímetros por ano e a estação das águas é concentrada em apenas três ou quatro meses. Por isso, as plantas da caatinga tiveram que desenvolver mecanismos para resistir a longos períodos de estiagem. São as chamadas plantas xerófilas, que o agrônomo Jacob Souto, professor da Universidade Federal de Campina Grande, em Patos, no sertão da Paraíba, ensinou um pouco mais. “São vários os mecanismos que as plantas usam para resistir a meses sem chuva. Um dos primeiros é a queda das folhas, onde a planta deixa de respirar, deixa de perder água e assim economiza. Uma outra característica da planta, é que muitas delas não possuem folhas, as folhas são transformadas em espinhos”.

Arrancando uma planta, a gente entende melhor como é que isso funciona. Parece uma mandioca. “Temos algumas raízes bastante profundas e isso no período mais seco do ano é o que ajuda a planta a sobreviver. Essa estrutura é como uma reserva da planta, onde ela acumula água e nutrientes para sobreviver ao longo período de seca que ocorre na região.”

As plantas da caatinga têm papel fundamental na manutenção da fertilidade do solo. Os nutrientes que elas sugam, depois são devolvidos para a terra através da serrapilheira, folhas que caem e se acumulam no chão.

Lenha usada como combustível na CGM

Há 10 anos doutor Jacob vem pesquisando de que maneira a decomposição desse material libera os nutrientes. Para isso, numa área de caatinga preservada, ele espalha pequenas caixas coletoras. Depois, analisa tudo que cai dentro delas. “No bioma caatinga, por ano, em média, é depositado de serrapilheira, no conjunto todo, em torno de 1,8 e duas toneladas por hectare. Para fazer uma decomposição em torno de 70% desse material, leva mais ou menos dois anos, dois anos e meio para degradar.”

O regime de chuvas, a altitude e a qualidade de solo determinam a vegetação típica de cada lugar. Dentro do bioma caatinga, há formações florestais diferentes, como em Crateús, quase na divisa do Ceará com o Piauí, uma das maiores reservas particulares de caatinga do país.

Essa reserva é muito interessante porque os seis mil hectares dela estão divididos em duas áreas bem distintas. Uma parte fica em uma região conhecida como Sertões do Crateús. A outra fica no alto da Serra das Almas.

A área pertence uma organização não-governamental, a Associação Caatinga. O Globo Rural visitou a Serra das Almas no período da seca. As trilhas da reserva levam a lugares surpreendentes.

Quase não parecia, mas a vegetação de árvores enormes e muita sombra também faz parte do bioma caatinga. “Esse complexo vegetacional chama-se mata seca. O que o diferencia da caatinga, em princípio, é a composição florística. É possível perceber que as árvores têm um porte maior, cerca de 60% das espécies conservam as folhas verdes e também elas ocorrem somente em ambientes de altitude elevada, acima de 600 metros”, explica o biólogo Ewerton Torres.

Equipamentos da cerâmica

Mais uma caminhada e chegamos a um ecossistema raro, com cenário completamente diferente. Não por acaso, o lugar é conhecido como lajeiro, com muita pedra e rocha em volta. A vegetação ao redor também tem um nome bem sugestivo: carrasco. “O carrasco é um ecossistema que faz parte do bioma caatinga, porém é diferenciado por conta das características: as árvores têm um porte bem menor, têm os galhos emaranhados, só ocorre em terrenos de rochas, solos rasos, arenosos e só existe no planalto entre o Ceará e o Piauí e no sul do Ceará, limite com Pernambuco.”

A Serra das Almas é o lar de muitos animais nativos. Aves como o cancã, o dorminhoco, o abre-fecha voam livremente. Como a área é protegida dos caçadores, alguns animais chegam bem perto, caso do sauin, um simpático macaquinho. O macaco-prego é mais desconfiado e só observa o movimento de longe. Outras espécies são avessas à presença humana. Para confirmar a existência delas na reserva, os pesquisadores têm que usar a criatividade. “Uma armadilha funciona com câmera fotográfica e um sensor de movimento e calor. Quando passa um bicho na frente, ela dispara.”

Na hora de revelar as fotos, algumas surpresas: animais considerados extintos na região, foram capturados pelas lentes. Caso da onça-parda ou sussuarana, como é conhecida. As armadilhas também fotografaram veados, o gato do mato, uma jaguatirica, raposas.

Toda essa biodiversidade pode ter um destino terrível. Boa parte da caatinga está virando lenha. É que ainda hoje 40% da energia consumida no Nordeste vêm da queima de madeira.

Um dos maiores centros consumidores de lenha do Nordeste está na Chapada do Araripe, no estado de Pernambuco. Lá está uma das maiores jazidas de gipsita do país, a rocha, que é a matéria-prima básica para a produção de gesso, extraída em minas gigantescas. Ela sai do solo com muita umidade e tem que ser desidratada. O serviço é feito numa calcinadora, local onde a pedra é triturada e depois aquecida em fornos alimentados com madeira. “Os dados que nós temos hoje mostram que do Nordeste sai por ano mais ou menos 25 milhões de metros de lenha.”

Doutor Francisco Campelo é engenheiro florestal e analista do Ibama. Ele explica que a lei não proíbe o corte de madeira nativa, mas hoje qualquer desmatamento só pode ser feito com autorização dos órgãos ambientais. “A rigor, toda intervenção numa propriedade que libere material lenhoso tem que ser licenciada pelo estado. A pessoa precisa mostrar que vai tirar a cobertura florestal para fazer uma prática agrícola ou pecuária e que além disso vai respeitar a reserva legal e as áreas de preservação permanente.”

No final de 2009, o Ibama fez uma grande operação na Chapada do Araripe, fechou 40 calcinadoras por uso de madeira clandestina e embargou diversas áreas que faziam corte ilegal de caatinga.

Segundo o Ibama, o aperto na fiscalização vem dando resultado. “Hoje, 80% da lenha que entra no pólo é licenciada, é uma lenha legal, e 20% é uma lenha clandestina, que ainda vêm de desmatamentos feitos sem critério e autorização.”

No lado cearense da Chapada, na cidade de Crato, uma empresa virou modelo de convivência com o meio ambiente. A cerâmica dos irmãos Ronaldo e Everardo produz telhas e tijolos e usa lenha para alimentar os fornos que secam e queimam as peças.

Para reduzir o uso de madeira nativa, a cerâmica teve que procurar outras alternativas para sua matriz energética. Teve que encontrar outra coisa para queimar que não fossem as plantas da caatinga.

Coco de babaçu, bagaço de cana e até galhos que sobram da poda das árvores urbanas agora são matéria-prima para os fornos. Com pequenas alterações, hoje o mesmo forno produz calor suficiente para queimar e secar as peças, o que representa uma grande economia de madeira.

As mudanças também chegaram no campo, 40% da lenha usada na cerâmica ainda vêm de árvores nativas, só que são provenientes de um projeto de manejo sustentável instalado em três fazendas da região. Uma delas fica no município de Assaré e pertence ao agrônomo Antenor Muniz. “Minha propriedade tem 3.752 hectares.”

Apenas 5% área são usados para agricultura. A reserva legal ocupa 20%, o restante, cerca de 1.700 hectares entraram no plano de manejo.

A área foi dividida em 15 talhões. A cada ano, um deles é cortado. Assim, uma mesma área só vai sofrer o segundo corte depois de 15 anos. “Quando chegar aos 15 anos será feito um estudo novamente para ver se será viável intervenção nessa área novamente para que o órgão consiga licenciar”.

No manejo, nem todas as árvores são cortadas. “A gente identifica algumas espécies que são protegidas por lei, como a aroeira e a braúna, algumas espécies que são de interesse da comunidade, de onde eles retiram seu alimento, algumas forrageiras e outras fitoterápicas, além dos abrigos de fauna que existem dentro da área. Essas não se cortam de jeito nenhum”, garante o engenheiro florestal Stephenson Ramalho.

Hoje o manejo é a principal fonte de renda da propriedade. “Cada talhão dá em torno de 10 mil metros de lenha e depois que a gente tira as despesas, dá em torno de R$ 5 ou R$ 6 por metro de lenha. A gente ganha em torno de R$ 50 ou R$ 60 mil/ano por cada talhão”, diz Antenor Muniz.

A cerâmica também está faturando com os investimentos que fez. Ela virou vendedora de créditos de carbono, uma espécie de moeda verde, concedida a empresas que trabalham de forma ecologicamente correta, para ser negociada no mercado internacional. “Tudo o que nós investimos, houve um retorno somente com as vendas de crédito de carbono. Não estamos contabilizando o que economizou na produção. O que investimos, houve retorno. Ser ecológico dá dinheiro”, afirmou Ronaldo Matos, dono da cerâmica.

A CGM é uma das empresas que codesenvolvem projetos de redução de emissões com a Sustainable Carbon.

Fonte: http://g1.globo.com/natureza/noticia/2011/03/todo-ano-quase-tres-mil-hectares-de-vegetacao-nativa-viram-lenha.html

Entry filed under: Ceará, Cerâmicas. Tags: .

Amazônia e Nordeste devem ter menos chuvas até 2100, diz pesquisa Conheça mais a caatinga, único bioma exclusivamente brasileiro

Comente

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Inscreva-se para receber notificações de novos artigos por email!

Junte-se a 47 outros seguidores

Nosso Facebook

Nosso Twitter


%d blogueiros gostam disto: