Uso de água também pode ser compensado

24 \24\UTC fevereiro \24\UTC 2011 at 8:50 2 comentários


A “pegada hidrológica” ou a “pegada da água” é o estudo que concentra exclusivamente em avaliar as necessidades diretas e indiretas de água para sustentar o estilo de vida de uma pessoa, região ou empresa. Segundo a GSS – Consultoria Sustentável para quantificar o consumo de água, há atualmente diversas metodologias que designam os parâmetros de cálculo e definições de fontes de consumo.

Além disso, foram definidos escopos de consumo categorizados, que podem ser representados pelo fluxo de água virtual (representação do consumo acumulado na produção de bens, alimentos, etc.). Assim, de acordo com a GSS, contabilizando a quantidade de água exigida na produção de soja ou de bebidas, por exemplo, é possível avaliar a importação e a exportação da água inserida nestes produtos.

A utilização do conceito de água virtual resulta na formatação da pegada hídrica, que pode ser entendido como um indicador do total da demanda de água para uso dentro de uma organização. Este valor somado à água virtual importada e deduzida a parcela de água virtual exportada é a pegada hídrica de uma empresa. Ou seja, segundo a GSS, a pegada hídrica (ou hidrológica) pode ser obtida, de forma simplificada, pela seguinte fórmula: Demanda Total + Água Virtual Importada – Água Virtual Exportada.

A metodologia de cálculo mais utilizada atualmente é a da Water Footprint Network (WFN), uma rede de empresas, ONGs e governos que foi criada justamente com o intuito de padronizar a ferramenta de cálculo. Uma pesquisa feita pela WFN sobre o fluxo de água virtual mostra que os maiores exportadores de água em produtos agrícolas e industriais são: Estados Unidos, Canadá, França, Austrália, China, Alemanha e Brasil. Já entre os maiores importadores estão novamente os Estados Unidos e a Alemanha, mas também Japão, Itália, França e Holanda.

Segundo a publicação “Globalization of water: Sharing the planet’s freshwater resources”, a pegada hídrica média anual per capita é 1.243 m³, a de um brasileiro, 1.381 m³ e a de um norte-americano, 2.483 m³.  O Brasil é o 10º maior exportador de água virtual do mundo. Na lista encabeçada pelos Estados Unidos, que anualmente vende ao exterior em média 164 milhões de metros cúbicos de água, o país foi responsável pela comercialização no mercado internacional, entre 1995 e 1999, de uma quantidade entre 10 e 100 milhões de m³ de água embutida em produtos. A maior parte desse total teve como destino a Europa.

As empresas interessadas em mapear o uso de água e medir os riscos relativos às operações globais e à cadeia de suprimentos podem também utilizar a ferramenta Global Water Tool, criada pelo Conselho Mundial de Negócios para o Desenvolvimento Sustentável (WBCSD).

Escrito por Divaldo Rezende, secretário estadual de Desenvolvimento Sustentável do Tocantins, considerado um dos principais consultores do mercado de carbono e um dos maiores brokers. Doutor pela Universidade de Aveiro (Portugal).

Entry filed under: Mudanças Climáticas. Tags: .

Hora do Planeta será realizada em 26 de março Última semana de inscrição para o Prêmio Fiesp de Mérito Ambiental

2 Comentários Add your own

  • 1. Livro Seo Otimização  |  24 \24\UTC fevereiro \24\UTC 2011 às 19:28

    Muito bom o post, valew novamente por compartilhar.

    Responder
  • 2. Bruno Torres  |  15 \15\UTC dezembro \15\UTC 2011 às 14:50

    Um conceito muito interessante, e algo inovador…
    Fazendo um paralelismo com a pegada carbónica, penso que estes dois conceitos evoluídos de verificação e regulamentação das questões ambientais e quotidianas dos cidadão, das sociedades, das empresas e do mundo, poderão a breve trecho, ganhar maior afirmação no panorama mundial, como um instrumento indispensável de medição e regulamentação quer das emissões de CO2, quer do consumo de água.
    Assim penso que em breve veremos estas questões serem tratadas como hoje em dia são tratadas as questões da qualidade e segurança. Hoje em dia as empresa têm que seguir o caminho da certificação, e penso que esse poderá e deverá ser o caminho para a pegada carbónica e para a pegada de água. Tornar esse uma obrigação para as empresas, organismos e pessoas.

    Responder

Comente

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Inscreva-se para receber notificações de novos artigos por email!

Junte-se a 47 outros seguidores

Nosso Facebook

Nosso Twitter

  • Você sabe por que nossos créditos de carbono são premium? Além de auxiliarmos nossos clientes a serem mais... fb.me/8iUGQ99RK 20 hours ago
  • Compartilhamos com vocês as impressões de Divaldo Rezende, vice-presidente do Instituto Ecológica, sobre a COP... fb.me/7qgdfhFFh 2 days ago
  • Nossos projetos, além de reduzirem a emissão de gases de efeito estufa, também promovem o desenvolvimento... fb.me/LeTywejZ 3 days ago
  • Destacamos alguns dados divulgados no relatório anual da Forest Trends para manter vocês atualizados sobre o... fb.me/JTuvOsjn 1 week ago
  • Separamos algumas iniciativas do Brasil, Russia, Índia, China e África do Sul que demonstram, em pequena ou... fb.me/3mqG4aCna 1 week ago

%d blogueiros gostam disto: