Estudo canadense prevê aquecimento global por séculos

8 \08\UTC fevereiro \08\UTC 2011 at 8:03 Deixe um comentário


O dióxido de carbono já liberado na atmosfera vai continuar contribuindo para o aquecimento global durante séculos, podendo causar o derretimento de um enorme “lençol” de gelo da Antártida e o aumento dos níveis do mar, disseram cientistas canadenses.

De acordo com os pesquisadores, ainda que os combustíveis fósseis deixassem de ser usado, continuaria o aquecimento do oceano da Antártida, bem como a desertificação na África do Norte.

No entanto, muitas das consequências negativas no hemisfério norte, como a redução de gelo no Ártico, são reversíveis. Isso significa que os esforços globais para reduzir os gases de efeito de estufa não são um desperdício de esforço e dinheiro, disse Shawn Marshall, professor de geografia da Universidade de Calgary e um dos autores do estudo.

– Mas há alguns elementos do clima que apresentam muita inércia e que levarão muitos séculos para começarmos a revertê-los.

O estudo, liderado por Nathan Gillett, do Centro Canadense de Modelagem e Análise Climática, foi publicado na revista Nature Geoscience.

Usando simulações com um modelo climático, os pesquisadores estimaram os efeitos sobre os padrões de clima para os próximos mil anos, com a interrupção completa das emissões em 2010 e em 2100.

De acordo com Marshall, a atmosfera se resfria rapidamente quando os gases atmosféricos são reduzidos, assim como a água da superfície do mar, “mas o resfriamento não atinge as águas profundas do oceano por um longo tempo”.

Correntes de vento no hemisfério sul também podem contribuir para o processo.

Como resultado, nos próximos mil anos, a temperatura média do oceano ao redor da Antártida pode aumentar em até 5°C, provocando o colapso do manto de gelo da Antártida Ocidental, de acordo com o estudo.

A eliminação do manto de gelo, que cobre uma área do tamanho do Texas e tem até 4.000 metros de espessura, poderá elevar os níveis do mar em vários metros.

Os impactos do clima reduzirão a umidade em partes do norte da África em até 30%.

As simulações mostram grandes diferenças em algumas partes do mundo. Porém, entre reduzir as emissões em 2010 ou em 2100, surgem variações de temperatura entre 1°C e 4°C, representando um argumento para a ação de redução imediata das emissões de dióxido de carbono, disse Marshall.

Entry filed under: Mudanças Climáticas. Tags: .

Brasil é o 5º no mundo em selo verde para construção sustentável Cidade americana polui 10 vezes mais que brasileira

Comente

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Inscreva-se para receber notificações de novos artigos por email!

Junte-se a 47 outros seguidores

Nosso Facebook

Nosso Twitter

  • Você sabe por que nossos créditos de carbono são premium? Além de auxiliarmos nossos clientes a serem mais... fb.me/8iUGQ99RK 20 hours ago
  • Compartilhamos com vocês as impressões de Divaldo Rezende, vice-presidente do Instituto Ecológica, sobre a COP... fb.me/7qgdfhFFh 2 days ago
  • Nossos projetos, além de reduzirem a emissão de gases de efeito estufa, também promovem o desenvolvimento... fb.me/LeTywejZ 3 days ago
  • Destacamos alguns dados divulgados no relatório anual da Forest Trends para manter vocês atualizados sobre o... fb.me/JTuvOsjn 1 week ago
  • Separamos algumas iniciativas do Brasil, Russia, Índia, China e África do Sul que demonstram, em pequena ou... fb.me/3mqG4aCna 1 week ago

%d blogueiros gostam disto: