Aprovado projeto de glicerina no Mato Grosso do Sul

7 \07\UTC janeiro \07\UTC 2010 at 13:58 1 comentário


Fornalha após a queima com glicerina

O excedente de glicerina gerado na produção de biodiesel tem um novo destino. Além de ser usada na indústria farmacêutica, cosmética
e têxtil, agora também tem utilidade na indústria cerâmica. Testes realizados na Cerâmica Trevo, de Nova Alvorada do Sul (MS),
comprovaram que a glicerina é uma excelente biomassa renovável para ser utilizada como combustível.

A matéria prima é proveniente da Biotins, de Paraíso do Tocantins (TO), que produz biodiesel com soja.  A glicerina, em estado bruto, é enviada para a Ouro Negro, indústria química de Campo Grande (MS), que faz o refino e deixa o produto no estado ideal para a queima. Após esse processo a biomassa é encaminhada para a cerâmica.

“A glicerina é tratada como um dejeto”, conta o consultor da Carbono Sustentável (antiga Carbono Social Serviços Ambientais), Antonio Cubano. A cada nove litros de biodiesel produzidos, gera-se um litro de glicerina. Esse resíduo não pode descartado in natura, pois acarreta diversos impactos ambientais. A falta de opções para destinar o excedente de glicerina é um dos principais problemas das usinas de biodiesel.

Para acender o forno, a cerâmica usa outra biomassa renovável, a casca de arroz. Após a temperatura interna atingir 500ºC é injetada a glicerina. Isso ocorre porque após essa temperatura a glicerina deixa de liberar a acroleina, uma substância tóxica. “O poder calorífico é muito bom, acima de 5.000 kcal, mais alto do que o briquete de cana, uma das biomassas com maior poder de combustão”, diz o engenheiro da Carbono Sustentável, Gabriel Toledo Piza.

Forno equipado para queimar glicerina

O transporte e a armazenagem são outras vantagens da glicerina. O consultor Antonio Cubano conta que por ser um combustível líquido pode ser armazenado em galões, o que facilita o deslocamento. “O manuseio é muito prático.” Outro benefício da glicerina, segundo o proprietário da Cerâmica Trevo, Janes Araújo, é que essa biomassa libera pouca cinza. “Isso é bom para a saúde do funcionário”, conta o ceramista.

Por se tratar de uma biomassa renovável, a cerâmica reduziu as emissões de gases causadores do efeito estufa. O projeto foi validado pela Bureau Veritas no fim de dezembro e agora a Cerâmica Trevo está apta a gerar créditos de carbono. A estimativa é que sejam geradas 45,084 mil toneladas de créditos em 10 anos. O projeto de substituição de combustível e geração de créditos é acompanhado pela Carbono Sustentável.

A Trevo, que produz 240 mil tijolos por mês, utiliza cerca de 50 toneladas de glicerina (aproximadamente 42 m³), a um custo de R$ 250 por tonelada. Para usar essa biomassa, a cerâmica adquiriu equipamentos para injetar o combustível no forno.  “O estado ideal é parecido com óleo vegetal. O refino é importante para retirar as impurezas que obstruem os dutos dos injetores de biomassa”, conta Piza. Além disso, são necessárias medidas de segurança como tanques reforçados e contenção no caso de vazamento de óleo.

Biodiesel – Segundo a Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), a produção brasileira de biodiesel em 2009 chegou a 1.291.800 bilhão de litros. Após a entrada em vigor no País da mistura obrigatória de biodiesel no diesel, o Brasil é um dos maiores produtores e consumidores dessa fonte alternativa.

Atualmente, 63 usinas estão autorizadas a operar;  46 estão autorizadas a comercializar B100 (biodiesel puro); 19 plantas aguardam autorização para iniciar a operção; 13 usinas aguardam autorização para ampliação. A capacidade total autorizada no País é de 12.848,30 m³/dia.

Entry filed under: Biomassas Renováveis, Glicerina. Tags: .

Entenda o que é um sistema de registro JP Morgan adquire créditos CARBONOSOCIAL

1 Comentário Add your own

  • 1. regi  |  8 \08\UTC maio \08\UTC 2012 às 22:47

    legal só chegar em itu sp

    Responder

Comente

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Inscreva-se para receber notificações de novos artigos por email!

Junte-se a 47 outros seguidores

Nosso Facebook

Nosso Twitter

  • Você sabe por que nossos créditos de carbono são premium? Além de auxiliarmos nossos clientes a serem mais... fb.me/8iUGQ99RK 19 hours ago
  • Compartilhamos com vocês as impressões de Divaldo Rezende, vice-presidente do Instituto Ecológica, sobre a COP... fb.me/7qgdfhFFh 2 days ago
  • Nossos projetos, além de reduzirem a emissão de gases de efeito estufa, também promovem o desenvolvimento... fb.me/LeTywejZ 3 days ago
  • Destacamos alguns dados divulgados no relatório anual da Forest Trends para manter vocês atualizados sobre o... fb.me/JTuvOsjn 1 week ago
  • Separamos algumas iniciativas do Brasil, Russia, Índia, China e África do Sul que demonstram, em pequena ou... fb.me/3mqG4aCna 1 week ago

%d blogueiros gostam disto: