Diferentes tipos de biomassa exigem instalação de injetor

26 \26\UTC novembro \26\UTC 2009 at 20:49 Deixe um comentário


Injetores mecânicos da Cerâmica Cavalcante (PA)

A troca de combustível consiste no uso de uma nova biomassa, com propriedades distintas da anterior, para a queima das peças cerâmicas. Para isso, é necessário a reforma dos fornos e a inclusão de máquinas injetoras de biomassa, uma vez que as características e o tamanho de algumas biomassas inviabilizam a inserção manual no forno.

Um injetor de biomassa é necessário para se que possa usar combustível como bagaço de cana, caroço de açaí, palha de arroz, entre outros. As biomassas queimadas para fornecer calor podem estar granuladas ou em briquetes. Os queimadores de biomassa são apresentados em todas as formas, tamanhos e preços. A Cerâmica Luara, de Panorama (SP), investiu R$ 23,8 mil na aquisição de queimadores mecânicos. Hoje, a empresa possui sete equipamentos como esse.

O aparelho pode ser empregado em atividades em que uma fonte de calor contínua é necessária, como caldeiras, fornalhas, secadores de grãos na agroindústria, fornos de cerâmicas, entre outros. A principal função do equipamento é concentrar a caloria gerada e direcioná-la através do canhão de saída.

O injetor de biomassa possui silos de armazenagem, onde o combustível  é estocado e através de roscas de alimentação, montada em sua base, alimentam o injetor.

De modo geral os sistemas de queima de biomassa podem ser utilizados com operação manual, semi-automáticos ou totalmente automatizados, podendo, nas versões mais completas, ter a partida, operação e parada totalmente automatizadas e comandadas por um computador.

O uso de injetores faz parte da avaliação de recursos tecnológicos da metodologia do CARBONOSOCIAL, que avalia as condições de acesso tecnológico, incluindo inovação de equipamentos e processos com o foco na contribuição para o desenvolvimento econômico, social e ambiental.

Com informações da Agência Sebrae de Notícias.

Entry filed under: Biomassas Renováveis, Cerâmicas, São Paulo. Tags: .

Casca da castanha de caju é opção de biomassa no Nordeste Conferência de Copenhague aponta boas perspectivas para créditos de carbono gerados por cerâmicas

Comente

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Inscreva-se para receber notificações de novos artigos por email!

Junte-se a 47 outros seguidores

Nosso Facebook

Nosso Twitter

  • Você sabe por que nossos créditos de carbono são premium? Além de auxiliarmos nossos clientes a serem mais... fb.me/8iUGQ99RK 19 hours ago
  • Compartilhamos com vocês as impressões de Divaldo Rezende, vice-presidente do Instituto Ecológica, sobre a COP... fb.me/7qgdfhFFh 2 days ago
  • Nossos projetos, além de reduzirem a emissão de gases de efeito estufa, também promovem o desenvolvimento... fb.me/LeTywejZ 3 days ago
  • Destacamos alguns dados divulgados no relatório anual da Forest Trends para manter vocês atualizados sobre o... fb.me/JTuvOsjn 1 week ago
  • Separamos algumas iniciativas do Brasil, Russia, Índia, China e África do Sul que demonstram, em pequena ou... fb.me/3mqG4aCna 1 week ago

%d blogueiros gostam disto: