Resíduos de coco surgem como combustíveis alternativos

9 \09\UTC outubro \09\UTC 2009 at 19:50 1 comentário


Casca de coco para aquecer os fornos

Os resíduos de coco são uma opção de combustível limpo para as cerâmicas reduzirem as emissões de gases causadores de efeito estufa. A partir do coco, quatro biomassas podem ser geradas: a casca, a quenga, a fibra e a haste do coqueiro.Uma das vantagens de queimar esses materiais é o baixo preço, principalmente no Nordeste, onde estão as maiores produções de coco. Segundo pesquisa de Gorete Ribeiro de Macedo, do Departamento de Engenharia Química, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN),  são geradas, em média, 6,7 milhões de toneladas de casca de coco por ano. Geralmente, a  casca de coco é coletada  diretamente do lixão.

De acordo com o engenheiro da Carbono Sustentável (antiga Carbono Social), Marcelo Haddad, a casca de coco não exige nenhum equipamento para ser queimada. Já para a fibra, o ideal é ter um queimador que a injete automaticamente dentro do forno. “Para utilizar a haste do coqueiro como biomassa é necessário cortá-la para que ela entre no forno”, diz Haddad.

Ele lembra que como esse não é o único combustível usado em uma cerâmica, a quantidade consumida varia bastante.  A Cerâmica ICEPE, de Vitória do Santo Antão (PE), para produzir 1 milhão de peças por mês, utiliza 60 toneladas de haste de coqueiro; 60 toneladas de casca de coco; e 16 toneladas de serragem. E a Cerâmica Buenos Aires, de (PE) consome 200 toneladas de fibra de coco (40% do total da biomassa usada na empresa) para produzir 3,8 milhões de peças em um mês.

Apesar do custo baixo, a casca de coco pode causar alguns danos. O engenheiro da Carbono Sustentável conta que essa biomassa libera uma substância capaz de corroer o forno da cerâmica, o aumenta os gastos para a recuperação.


Veja o poder calorífico dos resíduos do coco

Casca – 4.000 kcal/kg

Fibra – 3.000 kcal/kg

Quenga – 4.250 kcal/kg

Haste do coqueiro – 4.250 kcal/kg

Comparativo
Lenha da Caatinga
: entre 4,085 e 4,580 kcal/kg

Entry filed under: Biomassas Renováveis, Resíduos de coco. Tags: .

Eficiência tecnológica da Cerâmica CGM é reconhecida no Ceará Carbono Sustentável apresenta projetos de carbono no Nordeste

1 Comentário Add your own

  • 1. Celso  |  6 \06\UTC fevereiro \06\UTC 2013 às 11:42

    Ola,
    Gostaria de saber o que é liberado pela casca de coco para danificar os fornos. E se há uma forma para aliviar, ou até evitar.

    Responder

Comente

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Inscreva-se para receber notificações de novos artigos por email!

Junte-se a 47 outros seguidores

Nosso Facebook

Nosso Twitter


%d blogueiros gostam disto: